Frequencímetro com PIC de 1Hz a 50MZ Parte 2

Para quem está chegando agora vale esclarecer que este post -frequencímetro com PIC de 1Hz a 50MZ Parte 2 – é a continuação do que publiquei em 04/12/2019 e se ainda não o leu recomendo que CLIQUE AQUI para lê-lo, caso contrário ficará um pouco “perdido” com a explanação que virá a seguir.

Como expliquei no final do post mencionado, teria que ficar aguardando a chegada do novo kit para poder dar continuidade ao trabalho. Finalmente ele chegou há alguns dias e tenho novidades para contar.

A primeira coisa que fiz, antes de iniciar a montagem do novo kit, foi comparar a resistência entre os pinos 3 e 5 nos dois CIs e constatar que havia uma significativa diferença.

Este fato reforçou minha suspeita, que agora já era uma certeza, que alguma coisa tinha “dado ruim” quando apliquei um sinal de tensão superior a 5V para medir frequência. Queimei o PIC, simples assim!

Acontece com “as melhores famílias”!

# Partiu montagem

Montado o “novo” kit, iniciei o teste usando apenas a opção para medir a frequência de cristais pois, assim não correria o risco de que queimar novamente o PIC.

O próximo passo seria fazer a modificação incluindo o buffer como já expliquei no post anterior e que irei descrever a seguir.

Antes, porém resolvi que valeria a pena tentar copiar o arquivo que estava no PIC do chinês que veio com o novo kit, caso alguma coisa desse errado bastaria eu comprar outro CI aqui no Brasil e gravar o arquivo. Afinal, “o seguro morreu de velho e o desconfiado ainda está vivo”.

Isto, entretanto só seria possível se o PIC não estivesse protegido para cópia.

Por sugestão de um amigo, comprei um módulo para gravação de PICs que estava em oferta numa empresa em São Paulo por um precinho bem razoável. Quem sabe assim, eu me animo a mexer com PICs novamente.

A compra foi feita no dia 30 de janeiro, chegou na agência de correios aqui perto de casa no dia 02 de fevereiro, mas só me foi entregue no 18 de fevereiro. Onde tem correio não tem entrega rápida… a menos que seja por Sedex!

Eita correio da “Pátria amada Brasil” – serviço caríssimo e de péssima qualidade.

Com o gravador de PIC na mão, agora sim poderia proceder as alterações sem correr riscos.

Ainda bem que o hacker chinês era principiante e não tinha protegido o PIC o que me permitiu copiar o programa original.

Sobre a cópia e a gravação de PICs fica para outro momento, quem sabe.

Comecei removendo os componentes do testador de cristal para inserir em seu lugar o circuito do buffer ou pré amplificador citado no post anterior.

Como eu pretendia, no futuro, manter a opção de teste de cristal fiz uma “engenharia reversa” para obter o circuito do teste de cristal que segue na fig. 1.

Fig. 1 – Circuito de teste de cristal

Montando o pré amplificador ou buffer

Removido os componentes que aparecem no destaque em verde da fig.1 faltava só fazer pequenas modificações na PCI como se vê na Fig.2.

Fig.2 – Mostagem do pré no frequencímetro

Como diz o ditado “uma figura vale mais que mil palavras” e a Fig. 2 é bem esclarecedora sobre as modificações que deverão ser feitas para acrescentar o circuito cujo esquema está na fig. 3.

Fig.3 – Esquema do pré amp p ao frequencímetro digital

Vale a pena chamar atenção para algumas marcações em vermelho na fig. 2 que são cortes que deverão ser feitos nas trilhas com auxílio de um estilete (outras são jumps). Um destes cortes, marcado com a seta vermelha merece atenção especial porque é quase imperceptível junto a um dos terminais do soquete do cristal (que deverá ser retirado).

Aproveitei o transistor S9018 do testador de cristal tendo o cuidado de inverter sua posição na placa. Poderia usar também um BC547, mas deixei este para a montagem do testador de cristal que está na fig. 1.

Hora de cruzar os dedos

Como vocês que me seguem há algum tempo sabem que não sou supersticioso, mas com as bruxas não me meto, então todo cuidado é pouco.

Tudo conferido e reconferido – fogo!

Bingo! Deu certo, estava lá a frequência no mostrador.

Testando outro PIC

Só faltava conferir se a gravação de outro PIC estava funcionando para encerrar a missão com chave de ouro.

E não é que deu certo! Dois novos PICs virgens foram gravados e testados com êxito.

Livrei-me do chinês. Agora tenho duas placas montadas e se o PIC queimar é só gravar outro e colocar para funcionar.

 

 

Paulo Brites

Técnico em eletrônica formado em 1968 pela Escola Técnica de Ciências Eletrônicas, professor de matemática formado pela UFF/CEDERJ com especialização em física. Atualmente aposentado atuando como técnico free lance em restauração de aparelhos antigos, escrevendo e-books e artigos técnicos e dando aula particular de matemática e física.

Website:

6 Comentários

  1. Jackson Fiedler

    Olá Paulo. comprei um deste apenas para teste do cristal… mas o único que ele não mede: é aquele cilindrico de 32,789KHz das placas de PCs. Troquei um bucado desses cristais pensando que tinha defeito e não tinha. O que eu preciso saber que não sei sobre o teste dele?

    • Paulo Brites

      Vou ver se tenho algum destes por aqui e verificar.

  2. Wagner

    Parabéns Paulo! Excelente.
    Por favor, poderia indicar o modelo do gravador Pic e o link de onde comprou?
    Abraços.

    • Paulo Brites

      O gravador que comprei foi o PICkit 2 mas já existe a versão 4.
      Veja http://www.canakit.com
      Comprei no Brasil na Multilógica por 19,90 mas era promoção porque é uma versão antiga. Acho que nã tem mais.
      No mercvado livre você encontra.
      Em breve talvez faça um post sobre ele.

  3. SILVIO COHEN

    Oi Paulo, Sou o Silvio da época da ASAERJ, parabéns, sou inscrito no canal e acompanho o seu trabalho.
    Abraço.

    • Paulo Brites

      Oi Sivio,

      Quanto tempo hein.

      Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 3 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.