Minha sina é “ensinar” por este país, pra ver se um dia descanso feliz

Gonzaguinha, parafraseio aqui um pedacinho da sua canção para homenagear o dia dos professores porque você andava por este país ensinando as pessoas a serem felizes. Porque ser feliz é o que importa. É preciso ser feliz sem medo, mas também sem obsessão na busca da tal felicidade para não nos tornamos escravos dela.

Hoje, com a Internet eu até posso ir além deste país para cumprir a minha sina, mundo a fora, e um dia descansar feliz.

No fundo eu não gosto muito de usar a palavra “ensinar”. Prefiro dizer, “fazer as pessoas aprenderem”, porque ninguém ensina nada a ninguém, as pessoas é que aprende. Se quiserem, ou não. Vai depender de cada um, embora o mestre possa dar uma ajudinha. Ou também atrapalhar tudo.

Bem, mas neste caso talvez não deva ser chamado nem de professor, quanto mais de mestre, mesmo que tenha mil diplomas pendurados na parede.

Não basta “saber bem” o que explica, porque isto, certamente, está escrito nos livros e qualquer um pode ir lá ler e aprender sem precisar de um mestre explicador para lhe servir de uma mera muleta. Tem que saber não só o que explica, mas o porquê da explicação. Tem que contagiar, estimular, provocar o aluno. Tem que ser um ator que se metamorfoseia em triângulo retângulo ou átomo do carbono que acordo com o “papel” que vai interpretar.

Eu tive um professor de eletricidade no curso técnico que nós apelidamos de “zé elétron” ou algo parecido (rsrsrs).

O que o mestre precisa é ter, além do conhecimento de sua “disciplina”, a sagacidade necessária para despertar o conhecimento latente em cada um.

Galileu disse uma vez: – Nunca encontrei uma pessoa tão ignorante que não pudesse ter aprendido algo com a sua ignorância.

Afinal, todo “ignorante” sabe um monte de coisas, apenas não sabe que o que ele sabe também é um saber, nos “ensina” Jacques Rancière.

Ensinar não é simplesmente mostrar como encontrar as raízes da equação, a resultante das forças ou o sujeito oculto.

Isto está escrito nos livros, repito, e qualquer um pode ler e aprender, pelo menos o básico, por conta própria.

Ensinar é fazer o aluno descobrir aquele algo mais. É mostrar que o essencial pode estar nas entrelinhas que estão invisíveis aos olhos do não iniciado.

Eu quero isso. Eu quero um mestre que me deixe libertar-me das “verdades eternas e das certezas absolutas”.

Eu quero um mestre que apenas me “ensine” a aprender através da minha própria busca. Que seja, como diz um provérbio chinês, tal qual uma canoa que só é útil durante a travessia.

Eu quero um mestre que seja o veículo provocador da minha consciência.

Mas estes mestres não estão nas escolas, desde sempre, porque os sistemas, seja lá por qual “ismo” estejam rotulados, não os querem quebrando paradigmas.

A escola como instituição tem que “padronizar”, não tem necessariamente que “fazer aprender”.

Eu já fui um professor deste tipo há muitos anos quando comecei. Pouco a pouco fui me libertando das amarras do modelo de escola/fábrica/prisão.

De vez em quando, confesso, tenho uma recaída. Foram muitos anos de submissão ao modelo padronizador. Não é fácil se “descontaminar’ sem esforço. É preciso audácia. É preciso parar de olhar o mundo pelo retrovisor. Esquecer o clichê “no meu tempo”. O tempo do professor tem que ser o tempo de amanhã, não pode ser o tempo do ontem nem do agora porque o agora já passou. O tempo não para como nos disse Cazuza.

Cada turma é uma turma e dentro dela cada aluno é um aluno.

O professor pode saber o que está falando (talvez!), só não sabe o que aluno está ouvindo ou escutando.

Ouvir, vem do latim audire que significa perceber pelo sentido do ouvido. É, portanto uma ação meramente fisiológica. As palavras ditas pelo locutor/ professor passarão pelo aluno/ouvinte sem deixar marcas. Literalmente, como diz o ditado, “entram por um ouvido e saem pelo outro”.

Escutar, auscultare, também de origem latina é dar atenção, tornar-se atento para ouvir. Escutar vai muito além de ouvir, demanda uma reflexão, uma decodificação da mensagem, um processamento em que cada um de nós tem seu tempo próprio para executá-lo.

É comum se “ouvir” professores dizendo “eu expliquei direitinho e eles não entenderam nada”.

Aliás, na vida também é assim, não é mesmo?

Supondo que os alunos foram além do simples estágio de ouvir e entraram num outro plano de consciência que lhes permitiu escutarem, ainda assim, cada um interpretará o que escutou a seu modo, de acordo com suas crenças, seus valores, seus interesses momentâneos, suas necessidades. Enfim, seu “estado de espírito”, sua opinião formada.

Abraçar a “sina de ensinar” é coisa séria. Muito séria.  O professor, queira ou não, finda sendo um formador de opinião mesmo que esteja ensinando matemática, física, química, eletrônica ou seja lá o que for.

Precisa “medir bem as palavras” e mais ainda, cuidar de suas atitudes.

Não custa lembrar Cazuza novamente e parafraseá-lo, porque “tuas ideias podem não corresponder aos fatos”.

Na vida não cabe o velho ditado popular “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”, na sala de aula menos ainda. Não podemos ter dois pesos e duas medidas.

Não quero fazer um aluno “a minha imagem e semelhança”. Quero que ele seja critico o suficiente e que ele mesmo, inevitavelmente, me olhando como um “espelho”, veja minhas “manchas e arranhões” e tenha coragem e liberdade de apontá-las e eu, a humildade de ouvi-las, não apenas escutá-las, refletir e dialogicamente aprender com ele.

Como diz Cora Coralina “feliz é aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina” e, acrescento o que aprendi com Gonzaguinha, assim “um dia poderá descansar feliz”.

Tento isto a todo a instante, para ver se um dia descanso feliz e com a sensação da “missão cumprida”, como diz o clichê.

Feliz dia do mestre para todos os mestres (apresar dos salários baixos e das escolas ruim) e porque não, também todos os alunos, que mesmo “ignorantes” naquilo que estão buscando aprender, são “mestres” em alguma coisa na vida.

Professores e alunos, livremo-nos do “alguém tem que fazer alguma coisa” e façamos nós “esta alguma coisa” com nossos esforços, nossos erros e nossos acertos. Não é fácil, eu sei que não é fácil, mas o importante é tentar, aqui e agora.

Gostaria de terminar esta mensagem com uma recomendação de leitura, não só para professores, mas também para pais e mães que são nossos primeiros professores na vida: leiam O mestre ignorante – Jacques Rancière.

 

Minha sina é “ensinar” por este país, pra ver se um dia descanso feliz
5 (100%) 1 vote

Técnico em eletrônica formado em 1968 pela Escola Técnica de Ciências Eletrônicas, professor de matemática formado pela UFF/CEDERJ com especialização em física. Atualmente aposentado atuando como técnico free lance em restauração de aparelhos antigos, escrevendo e-books e artigos técnicos e dando aula particular de matemática e física.

Conheça todos os e-books de

Paulo Brites

Paulo Brites

Técnico em eletrônica formado em 1968 pela Escola Técnica de Ciências Eletrônicas, professor de matemática formado pela UFF/CEDERJ com especialização em física. Atualmente aposentado atuando como técnico free lance em restauração de aparelhos antigos, escrevendo e-books e artigos técnicos e dando aula particular de matemática e física.

Website:

12 Comentários

  1. Edilmo Silva

    Prezado Paulo Brites,

    Eu estava buscando informações sobre o “easyEDA” e vi o seu site. Encontrei o seu Tutorial – Parte 1 e fiquei muito satisfeito com o seu trabalho: simples, objetivo e completo. Isso me levou à busca pela parte 2…
    Nessa busca encontrei a sua homenagem aos professores e me identifiquei com cada uma daquelas palavras, muito bem colocadas, traduzindo o que eu penso também…
    Isso porque tive a oportunidade/felicidade de ser instrutor no SENAI, ocasião em que vivi as etapas citadas naquele texto.
    Assim, desejo que você continue tentando, a todo instante, “a felicidade da sensação da missão cumprida”, pois, certamente, todos nós seremos agraciados com os seus trabalhos e ensinamentos.
    Vida longa aos verdadeiros MESTRES.
    Um grande abraço de um novo discípulo…

    • Paulo Brites

      Obrigado Edilmo pelo apoio, é disto que precisamos A gente não quer só dinheiro…
      Este trabalho virou um e-book grátis que acho que está no site Se não achar me fala.
      Abraços e até sempre.

  2. Airton Campitell

    Mestre muito Bom, abraços!!

  3. Moacir de Jesus Góis

    Eu sempre leio alguns artigos seus. Parabéns por sua capacidade e pelo dia do professor que você tão bem representa.

    • Paulo Brites

      Obrigado Moacir

  4. Caro professor Paulo Brites, parabéns pelo seu dia, tenho sempre suas palavras como inspiração para o meu dia-a-dia. Num país que trata os seus professores com tanto descaso, sinto-me resguardado da completa ignorância sempre que leio um dos seus artigos.
    Parabéns pela garra e esforço com que mantém seu site no ar. Parabéns por fazer com que seus alunos e leitores mais maduros como eu aprendam a pensar ao invés de dar simplesmente a resposta como vejo muito por aí.
    E o mais importante, obrigado por ainda acreditar e não desistir de nós.

    PARABÉNS PROFESSOR.

    • Paulo Brites

      Obrigado Henrique pelo apoio, isso conta muito.

  5. José Batista do Nascimento

    Parabéns professor Paulo,pela forma didática de ensino,no clube. Hoje é seu dia.

    • Paulo Brites

      Obrigado, José Batista pela participação

  6. Dailson Gonçalves Paixão

    Professor, o senhor nessa simples narrativa crônica me fez viajar no tempo e espaço.
    Lembrei-me de quando aluno do colegial, eu e os colegas nos reunirmos para fazer trabalho de escola. Trocávamos ideias e todos sabiam onde todos moravam. Bons tempos aquele.
    A sensação que tive do senhor escrevendo esta narrativa é a mesma que tive ao terminar a faculdade em 2015. Posso estar enganado mas foi uma sensação de solidão total. Como alguém gritando ao vento.
    Acontece que ninguém quase não trocava ideia com o colega de carteira e quando as aulas terminavam todos saiam com pressa como que desesperados por algo muito sério que os esperavam. Mal davam boa noite aos colegas.
    Depois que todos formaram ninguém sabe mais sequer se os companheiros de sala estão vivos. E se estão, como estão.
    Pode parecer frescura de minha parte mas sofri com isso. Como as pessoas estão individualistas, mesquinhas.
    Outra sensação que tive do senhor escrevendo esta crônica foi: Ah!!!… aqueles tempos em que o aluno tratava os professores como seus próprios pais.
    Tenho a sensação de que o mundo estar caminhando para um vazio existencial crônico. Mas fazer o que?
    Um abraço e feliz dia do senhor.

    • Paulo Brites

      É Dailspn, os tempo vão mudando com ele as pessoas Temos que ir nos adaptando as mudanção e fazendo o que melhor pudermos.
      Obrigado pela participação sempre bem vinda e um grande abraço.

Fico muito contente quando alguém coloca um comentário, é sinal que leu

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.