search
top

Impressora HP Office Jet pro 8600 Plus parou de repente

Impressora HP Office Jet pro 8600 Plus parou de repente

HP OfficejetMinha impressora HP Office Jet pro 8600 Plus após cerca de 3 anos de uso parou de repente, não ligou mais.

Nada verdade não foi tão de repente assim, afinal barragens também não rompem de repente ou então, não é engenharia ou a tecnologia não está tão avançada como se apregoa por aí. Mas, isto é outra história.

Existe uma coisa chamada manutenção preventiva e, no caso particular da minha impressora, eu simplesmente ignorei esta regra. Ainda bem que não havia casas pelo caminho!

A noite já se despedia e ia dando lugar à madrugada quando mandei imprimir uma foto e nada aconteceu. Olhei para a impressora e ela fingia-se se morta, com o painel totalmente apagado.

Minha esperança era que o cabo de força não estivesse devidamente encaixado na impressora, mas desta vez a esperança não foi a última a morrer. Teve morte prematura que nem esperança de pobre.

Resolvi que era melhor ir dormir e deixar a impressão para o dia seguinte. Quem sabe uma fada madrinha entrasse sorrateiramente no meu escritório durante a madrugada e resolvesse o problema. Nunca é de mais ser otimista.

Manha seguinte, dentes escovados e café tomado, volto ao escritório e descubro que eu não tinha fada madrinha e o jeito era começar vendo com um multímetro se chegava tensão na ponta do conector que vai encaixado na impressora. Infelizmente havia lá 127 volts, logo não era um problema simples de “fio entupido”. Continuo otimista, não deverá ser nada grave.

“Dou um google” para ver se alguém já havia passado por um infortúnio similar. Encontro dois ou três relatos de mau contato no cabo flat que liga o painel à impressora propriamente dita.

Possibilidade plausível que minha experiência em manutenção julgava ser um bom começo para encontrar o vilão.

Mas algumas buscas pelo Google e descubro como se desmonta o painel sem precisar quebrar a impressora. Três parafusos torx escondidos sob uma borrachinha e o painel “despencou” na minha mão.

Fig. 1 - Desmontando o painel

Fig. 1 – Desmontando o painel

Logo aparecem dois flats: um banco e outro marrom. O que me interessava era o branco.

Ambos estão semi escondidos debaixo de uma proteção plástica que precisa ser removida.

Uma pressão com os dedos, um empurrãozinho para trás e um pouco de contorcionismo básico e consegui retirar o “infeliz” deixando à mostra o encaixe dos flats.

Fig.2 - Retirando a proteção dos flats

Fig.2 – Retirando a proteeção dos flats

Fig. 3 - Ponta do Flat branco

Fig. 3 – Ponta do Flat branco

Noto que há uma marca na ponta do flat branco. Pode ser que esteja fragilizado ali produzindo mau contato. Examino cuidadosamente e chego a conclusão que está tudo bem. Re insiro o flat no conector, recoloco tudo no lugar e cruzo os dedos antes de ligar a impressora.

Estou sem sorte. Definitivamente, minha fada madrinha, se é que algum tive uma, me abandonou.

Como se dizia no “meu tempo”: – o buraco é mais embaixo.

Tenho que verificar a fonte que obviamente não é acessível a todos os mortais, só aos mais capacitados, categoria na qual me enquadro.

Agora é pegar as “luvas de box” e partir para a briga, que vai ser das boas.

Para ter acesso à fonte é preciso retirar o painel do lado esquerdo.

Não irei me alongar neste procedimento aqui. Na Internet encontram-se alguns vídeos mostrando como se faz.

Finalmente encontrei a fonte

Ei-la aí na figura 4.

Fig.4 - Removendo a fonte

Fig.4 – Removendo a fonte

Uma vez retirados os dois parafusos e o cabo mostrados na figura 4 temos a fonte na mão para reparo.

Foi só retirá-la do lugar e descobrir o que tinha acontecido. Tinta vazada em cima da fonte. Parece que ela já foi colocada estrategicamente ali para que um dia isto acontecesse. Seria obsolescência programada ou estou assistindo muito AXN?

Depois de sujar a mão de tinta azul eu precisava descobri como se retirava o “casco” da dita cuja.

Logo de cara achei um parafuso bem visível. Mais um torx, é claro.

Esmola demais e o santo desconfia. O “casco” não saiu.Tinha mais parafuso para se retirado, mas onde?

Fig. 5 - Parafusos da fonte

Fig. 5 – Parafusos da fonte

Debaixo da etiqueta, nos dois extremos em diagonal, muito bem camuflados. Veja só a figura 5.

Agora eu pergunto, por que um parafuso estava bem visível e outros dois estavam escondidinhos?

Acho que o projetista era um sádico ou tinha fetiche por parafusos escondidos!

Finalmente cheguei as “entranhas” da fonte

Aberta a barriga da “defunta falecida”, já podia eu, como um bom médico legista, dar início à necropsia da mesma e determinar a causa mortis definitiva, pois a tinta tinha sido apenas o veneno colocado no copo de uísque da cinderela (definitivamente, estou assistindo muito AXN).

Não tenho dúvidas que os legistas são os melhores médicos do mundo, pois sempre descobrem a causa da morte. Pena que chegam atrasados!

Voltando à necropsia, olha só na figura 6, 7 e 8 o que uma tinta de impressora pode fazer na sua vida.  

Fig. 6 - Área destruida pela tinta

Fig. 6 – Área destruida pela tinta

 

Fig. 7 - PCI da fonte destruída

Fig. 7 – PCI da fonte destruída

 

Fig. 8 - Ponte retificadora

Fig. 8 – Ponte retificadora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Realizando o milagre da ressureição da fonte ou driblando a obsolescência programada

Para tristeza da HP ainda não foi desta vez que eles vendaram uma nova impressora e eu pude dar uma verdadeira contribuição ao planeta ajudando a torná-lo o sustentável.

Retirei todas as “vitimas” envolvidas no “desastre ecológico” e após proceder a limpeza da área lavando a placa debaixo d’água, deixei-a secar ao sol.

Fig.9 - Recuperando a PCI da Fonte

Fig.9 – Recuperando a PCI da Fonte

Remontei tudo no lugar recompondo o pedacinho de ilha da PCI destruída pela corrosão e… todos viveram felizes para sempre: eu, a impressora e o planeta!

Só quem não deve ter gostado muito foi o fabricante da impressora, bem como os investidores que não ganharam mais uns dolarezinhos.

Enquanto você lê este post eu vou providenciar uma limpeza na impressora para a tinta não continuar vazando.

Ah! Desta vez o médico legista chegou a tempo de ressuscitar o defunto!

Até sempre.

     

Técnico em eletrônica formado em 1968 pela Escola Técnica de Ciências Eletrônicas, professor de matemática formado pela UFF/CEDERJ com especialização em física. Atualmente aposentado atuando como técnico free lance em restauração de aparelhos antigos, escrevendo e-books e artigos técnicos e dando aula particular de matemática e física.

banner ad

Deixe seu comentário

top