Como ler e interpretar esquemas eletrônicos

Como ler esquemas

Volta e meia eu recebo pedidos de leitores sobre um livro ou uma aula que explique como ler e interpretar esquemas eletrônicos.

Sinceramente eu nunca tinha me atentado para o fato de que isto é um assunto relevante e realmente que deixa o principiante, hoje em dia, bastante confuso.

Digo, hoje em dia, porque quando eu comecei na eletrônica lá nos idos dos anos 60, ainda do século passado (kkk) os circuitos e, portanto seus esquemas eram bem mais simples e acho que nem percebi que ia aprendendo uma coisa “nova” a cada dia.

Os anos foram passando, os circuitos foram ficando cada vez mais complexos, novos componentes foram surgindo, mas eu fui “caminhando” junto com eles e creio que isso tornou as coisas mais fáceis para mim.

Quem chega agora no ramo não pode fazer aquela caminhada que eu fiz e realmente deve sentir muita dificuldade.

Uma coisa é aprender os circuitos isoladamente, outra é vê-los todos “juntos e misturados” em dezenas ou até centenas de folhas.

Paradoxalmente, “naquele tempo” os equipamentos eram fisicamente enormes, mas todo o circuito cabia numa folha de papel tamanho A4, hoje quanto menor é o equipamento, maior é quantidade de folhas de papel necessárias para apresentar o esquema do mesmo.

Então, vamos lá a algumas dicas preliminares enquanto eu vou pensando em elaborar um e-book sobre o tema que pelo que andei pesquisando na Internet parece que não existe nenhum.

O que é preciso saber para começar a ler e entender esquemas?

Parece óbvio, mas não custa dizer que a primeira coisa que se precisa conhecer é a simbologia dos componentes, pois os circuitos são desenhados com base nesta simbologia que é, praticamente, universal com pequenas variações.

Assim que me sobrar um tempinho irei preparar uma infográfico sobre isto (neste século ainda, kkk).

Um segundo passo é associar a simbologia ao componente propriamente dito caso contrário não irá encontrá-lo fisicamente na placa onde ele está montado.

Se você está estudando por livros ou até mesmo em aulas presencias esta é uma etapa que, às vezes, é mal explicada e o estudante acaba se tornando um “especialista” em desenhos e mais adiante tratarei dela.

Por outro lado, de pouco adianta conhecer as simbologias e os respectivos componentes associados a ela sem saber como o circuito funciona.

Tenho visto pelos fóruns na Internet, muita gente querendo resolver as coisas na base da adivinhação, pergunta aqui e ali sem nenhuma noção do que está querendo perguntar. 

Não é assim que se aprende nada. Antes é preciso ter algum embasamento teórico e conceitual sobre qualquer coisa que se queira fazer.

Tentei suprir parte destas dificuldades como meu e-book Eletrônica para Estudantes, Hobistas & Inventores, mas reconheço que, às vezes, somente olhar figuras, e até mesmo fotos, por melhor que elas sejam, nem sempre, ajuda muito.

Clube Aprenda Eletrônica com Paulo Brites

Estou preparando um projeto de aulas on line intitulado Clube Aprenda Eletrônica com Paulo Brites que breve estará “no ar” e lá teremos uma oportunidade de tratar destas coisas de uma forma que envolverá teoria e prática, mas enquanto ele não sai do forno e o e-book de “leitura” de esquemas não fica pronto vamos a algumas dicas.

Consertar não é adivinhar

Se você tentar consertar um televisor ou equipamento de som moderno, por exemplo, sem antes saber o que cada parte do circuito faz e como funciona, as chances de conseguir algum êxito é quase a mesma de ganhar na mega sena.

Comece estudando circuitos simples e montando-os, de preferência, em protoboards onde além de poder reaproveitar os componentes ainda poderá modificar alguns valores e analisar os resultados, é assim que se aprende eletrônica. Pelo menos foi assim que eu aprendi (e estudando muito, até hoje).

É assim que serão minhas aulas on-line, aliando teoria de forma sólida com prática verdadeira, sem labs virtuais.

Começando a entender esquemas: – a importância do diagrama em blocos

Uma maneira muito eficiente de se entender como os circuitos funcionam é através dos diagramas em blocos onde não se mostram todos os componentes e suas interligações, mas apenas blocos, como o próprio nome diz, nos quais são indicados os principais pontos do circuito como tensões de alimentação com seus respectivos valores, sinais de entrada e saída e algumas informações importantes.

Habitue-se a entendê-los e até mesmo a construir seu próprio diagrama em blocos a partir de um circuito que você tem na mão isto com certeza vai ajudar muito.

Cada fabricante tem seu jeito de construir seus circuitos

Supondo que você já possui um conhecimento teórico mínimo do funcionamento dos circuitos e quer partir para a reparação de algum equipamento, a primeira providência é descobrir qual a lógica que o fabricante usa para interligar as diversas partes dos seus circuitos.

Os esquemas não cabem mais numa folha de papel, então é preciso ir passando de uma folha para outra para dar continuidade ao circuito e para fazer isso os fabricantes utilizam regras próprias para indicar como as partes são interligadas.

A Philips, por exemplo, costuma identificar cada página com uma letra e um número. A letra corresponde a determinado estágio e o número indica partes deste estágio.

Veja abaixo um pedaço de um esquema de um TV Philips tomado como exemplo.

Pedaço de um esquema de tv Philips

Repare que tem um bloco indicado como A4 (marcado com verde) e que tem um outro bloco indicado como A5 (marcado com azul), entretanto dentro deste bloco A5 existe uma indicação A4 marcada com vermelho. Isto quer dizer que estas duas linhas do A5 vão para o A4. Reparou que eu disse “vão”? Sim, porque o sentido das setas parece indicar que estão saindo de A5 para A4.

Entretanto, se olharmos o bloco A4 não vemos nenhuma linha com a indicação que aparece no bloco A5.

E agora? Certamente no restante do esquema existirão outros blocos também denominados A4 onde estas linhas devem chegar.

Por enquanto, estamos só trabalhando com diagrama em blocos, vamos dar uma olhada num pedaço do esquema propriamente dito.

Repare a área que coloquei em destaque com o retângulo vermelho.

Pedaço de um esquema de um tv Philips

Nela temos duas linhas marcadas como A5 INTF L IN e INTFL R IN.

Então, estas são as linhas que estávamos procurando e que apareceram aqui.

Esta é a metodologia que a Philips usa em seus esquemas, mas ela não é universal e outros fabricantes usarão as suas próprias regras e você terá que descobrir quais são porque eles não vão te dizer.

É claro que eu estou tratando aqui de situações bastante complexas e que um principiante certamente terá dificuldade de acompanhar, mas resolvi usá-las como exemplo do grau de dificuldade que muita gente enfrenta para ler alguns esquemas.

Por enquanto a intenção foi apenas começar o debate e aguardar os comentários para tentar entender qual a dificuldade que cada um tem e partir delas seguir uma estratégia de abordagem para um futuro e-book sobre um tema realmente complexo.

Como ler e interpretar esquemas eletrônicos
5 (100%) 1 vote

Técnico em eletrônica formado em 1968 pela Escola Técnica de Ciências Eletrônicas, professor de matemática formado pela UFF/CEDERJ com especialização em física. Atualmente aposentado atuando como técnico free lance em restauração de aparelhos antigos, escrevendo e-books e artigos técnicos e dando aula particular de matemática e física.

Paulo Brites

Técnico em eletrônica formado em 1968 pela Escola Técnica de Ciências Eletrônicas, professor de matemática formado pela UFF/CEDERJ com especialização em física. Atualmente aposentado atuando como técnico free lance em restauração de aparelhos antigos, escrevendo e-books e artigos técnicos e dando aula particular de matemática e física.

Website:

36 Comentários

  1. Geraldo Magela Rodrigues

    Ok Professor!
    Abraços!

    • Paulo Brites

      Obrigado pela participação

  2. Wladyslaw Jan

    Boa iniciativa. Aguardando com ansiedade o inicio do curso.

    • Paulo Brites

      Espero colocar isso no ar na primeira quinzena de outubro, mas como eu sou um perfeccionista pode atrasar um pouco kkk

      • caro Prof Brites, como eterno novato na eletronica, estou esperando dia-a-dia o inicio do curso e tenha certeza que serei uns dos primeiros a fazer. Grato Hector

        • Paulo Brites

          Olá Hector, pois é tá parecendo até o pagamento do desgovernador Pezão que seria em setembro e agora ficou para o dia de São Nunca! Mas em breve vai estar no ar.

          • Ok prof. assim que postar por favor me avise. Gostaria de não ser interpretado como puxa saco. mas o Sr tem recibido a ajuda economica que mando mensalmente?, pois ta sendo descontado do meu cartão de credito. Hector

          • Paulo Brites

            Tenho sim, eu vou criar um e-amil automático para avisar as pessoas Muito obirgado

  3. Henrique Grizotti

    Achei o máximo sua ideia professor, lembro-me dos tempos de escola técnica em que meu professor Max nos passava como dever de casa a leitura de diagramas esquemáticos. Hoje percebo aqui no trabalho que muitos estagiários e até mesmo técnicos recém formados tem dificuldades em ler e interpretar diagramas esquemáticos.

    Só tem uma coisa que está complicando a leitura desses esquemas, não sei porque essas letras parecem que estão diminuindo e as lentes dos óculos não conseguem mais ampliá-las………..

    Apoio a ideia.

    • Paulo Brites

      Pois é Henrique há uma deficiência muito grande no nosso ensino.

  4. É Paulo sou da década de 60 e fiquei 40 anos fora e estou retornando agora, imagine minha dificuldade, faça urgente e trabalho. Parabéns pela iniciativa.

    • Paulo Brites

      Vou fazer sim José.Estou providenciando um dia de 48 horas (kkkkk), mas vai sair, porque vi pelos comentários aqui no site que tem muita gente com o mesmo problema.

  5. Jorge José.

    Paulo ,ti preparas pois vai ser uma tarefa muito dura .
    ler e interpretar esquemas não é fácil , ensinar então.

    • Paulo Brites

      Adora desafios, então vou a luta. Abraços

  6. osmar ferreira da silva

    professor

    Sou das antigas,trabalhei por 36 anos na manutenção de locomotivas diesel-elétricas e elétricas.Sempre com os esquemas na mão para tirar defeitos.
    Por,em hoje não dou conta mais de dar manutenção em aprelhos eletrônicos,pois ficou muito complexo os esquemas.Parabéns pelo seu trabalho.

    • Paulo Brites

      Obrigado, Osmar pela sua participação.

  7. Cícero Silvino da Silva

    Muito bom.

  8. vitor

    Muito bom esta pequena explicação.

    • Paulo Brites

      Obrigado pela participação

  9. osmar ferreira da siva

    caro professor

    De fato o sr tem toda razão,sou engº aposentado,ferroviário sempre trabalhei na manutenção de locomotivas principalmente na parte elétrica e claro com os esquemas na mão sempre.Hoje tendo enteder os esquemas de equipamento modernos e noto que esta a ano luz na minha frente.
    Um gde abraço

    • Paulo Brites

      Olá Osmar
      Realmente as coisas mudaram muito depois da Era do “tudo digital” e que não foi “crescendo” junto foi ficando para trás, mas nada está perdido. Como um pouquinho de esforço a gente chega lá.
      Abraços e volte sempre

  10. É isso aí Paulo. O bom professor e mestre sabe interpretar o que trabalha e também as dificuldades dos alunos. Parabens.

    • Paulo Brites

      Celso, muito obrigado pelo seu apoio
      Abraços

  11. Everaldo

    Boa ideia, uma boa analise do esquema já significa 50% de possibilidade de achar o culpado(defeito), um abraço.

    • Paulo Brites

      Obrigado pela participação Everaldo

  12. milton neves

    Como sempre de grande valia, obrigado Professor Paulo Brites

  13. Elcio Antonio Martins

    Parabéns pela matéria e muito obrigado pelo conhecimento compartilhado.

    • Paulo Brites

      Obrigado pelo retorno
      Abraços

  14. Eu trabalhei numa empresa que era indústria e comercio de eletrônica, recebíamos muitos equipamentos importados, alguns eram testados no laboratório para avaliar o desempenho e qualidade, os americanos eram os melhores de se trabalhar, seus esquemas eram bem elaborados e fácil de se entender, os europeus já complicavam um pouco, mas os piores eram os japoneses, eram verdadeiros quebra cabeças, chatos mesmo, e sempre foram assim, basta olhar um esquema de TV Sharp para comprovar.

    • Paulo Brites

      Olá Vinicio Concordo com vocês, os gringos sempre foram melhores na elaboração de material. Trabalhei 15 anos na Embratel e tinha contato com material da HP, por exemplo, que eram ótimos.

  15. Dirceu

    Interpretar esquemas acho que se aprende facilmente quando se tem uma base teórica boa. O restante é o costume de se analisar circuitos e ver muitos esquemas. Foi assim que eu aprendi de forma autodidática.
    Muitos que estão estudando agora, querem adivinhação.
    O seu curso online vai ajudar muitos que estão estudando, mas meio perdidos pela internet, especialmente pelos fóruns.

    Desejo sucesso para o curso.

    • Paulo Brites

      Pois é, Dirceu acha que você tem razão. Tenho percebido que a preguiça está se tonando cada vez mais presente nos dias atuais. Acho que a turma pensa que só procurar o Google e tido se resolve.

    • Paulo Brites

      Valeu Ariel, Isso é só um “aperitivo” Vem mais por aí, Ah! Vota lá nas estrelinhas que ajuda a divulgar Abraços

Fico muito contente quando alguém coloca um comentário, é sinal que leu